sexta-feira , 15 dezembro 2017
TEM NEWS

Corredor Verde na avenida 23 de Maio, em São Paulo, promove melhora ambiental na região

Corredor Verde
Foto: Luiz Guadagnoli SECOM

A instalação do Corredor Verde irá reduzir a quantidade de poluentes e reciclar resíduos sólidos para sua estrutura

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria do Verde e Meio Ambiente, deu início no mês de março à instalação do chamado Corredor Verde, na avenida 23 de Maio. A proposta é criar uma área total de 10.950 metros quadrados de jardins verticais, visando a melhoria ambiental da cidade e requalificação do espaço urbano, onde as áreas verdes são cada vez menores.

Ficou a cargo da empresa especializada em jardins verticais Movimento 90º, a execução do projeto, que contará com mais de 251 mil mudas de plantas ao longo de toda a via. Segundo informações da empresa, as espécies vegetais escolhidas para o Corredor Verde têm maior capacidade de absorção de poluentes e poderão reduzir até 66,8 toneladas de partículas finas e ultrafinas.

Por meio de deposição sobre as superfícies das folhas, elas podem absorver não só o dióxido de carbono, mas também partículas poluentes como fumaça, poeira e dióxido de nitrogênio em grandes quantidades. Os resultados são comprovados por estudos científicos sobre o aumento da umidade relativa do ar, diminuição da temperatura atmosférica, menor aquecimento das superfícies construídas, melhoria da qualidade do ar, além do valor de ganho estético e de influência na qualidade de vida das pessoas.

 

Corredor Verde
Paisagista e idealizador do Movimento 90º, Guil Blanche – Foto: Tinko Zetwertynski

Idealizador do Movimento 90º, o paisagista Guil Blanche comenta: “O Corredor Verde da 23 de Maio, sem ocupar nem um centímetro de solo, vai causar impacto ambiental positivo, em uma das vias mais presentes na vida do paulistano, equivalente à uma floresta urbana de 65 mil metros quadrados. Em uma cidade como São Paulo toda nova área verde é uma questão de saúde pública e deve ser encarada como algo urgente”.

Além da criação das áreas verdes, o projeto permitirá a reciclagem de 163,7 toneladas de resíduos sólidos na sua construção. “Os jardins verticais são instalados sobre placas ecológicas compostas por resíduos sólidos de alumínio e plástico reciclados de embalagens. As estruturas são impermeáveis e não estragam com o tempo, permitindo o plantio sem que haja contato com a parede, o que evita infiltrações e possíveis danos estruturais aos muros onde estão instalados”, explica Blanche.

 

Corredor Verde
Os jardins verticais são instalados sobre placas ecológicas compostas por resíduos sólidos de alumínio e plástico reciclados de embalagens (Foto: Cesar Ogata SECOM)

 

As placas, que medem 1 metro por 2,20 metros, são fixadas em grades de metalon (tubos de aço carbono comum, com costura e formato quadrado ou retangular), instaladas nas paredes. O Corredor Verde conta ainda com um sistema de irrigação automatizado com água de reúso. “A chuva é recolhida e circula constantemente, controlada remotamente pela internet, assim como a adubação. Gotejadores são instalados a cada 20 centímetros e garantem que todas as plantas recebam a água e nutrientes necessários”, detalha o paisagista.

Fazem parte dos muros públicos que receberão as instalações os viadutos Santa Generosa, Beneficência Portuguesa, Pedroso, São Joaquim, Tutóia e Jaceguai. O custo para cobertura de toda a extensão é cerca de R$ 9,7 milhões e o trabalho tem previsão de ser concluído em julho.

 

 

O Corredor Verde será  financiado integralmente através do Termo de Compromisso Ambiental (TCA), conforme o Decreto 55.994 de São Paulo que admite jardins verticais e tetos verdes como ferramentas de compensação.

De acordo com informações da Prefeitura, o termo foi assinado na gestão anterior com a empresa Tishman Speyer, destinado à construção de oito jardins verticais na cidade. Até o fim de 2016, haviam sido realizados cinco desses jardins nas laterais de prédios que circundam o Minhocão, na região central da cidade – também executado pelo Movimento 90º.

 

Corredor Verde
Empena cega de edifício que circunda o Minhocão também recebeu jardim vertical (Foto: Felipe Gabriel)

 

A atual gestão deu continuidade ao termo assinado, mas direcionou o projeto do Corredor Verde para a avenida 23 de Maio, privilegiando os muros públicos no lugar de paredes de propriedades particulares. Além disso, estendeu o tempo de manutenção dos jardins, que inclui a revisão nos gotejadores, monitoramento diário da irrigação, fertilização, podas quando necessário e verificação da estrutura.

 

Confira abaixo o vídeo de lançamento do projeto:

 


Quer se manter informado sobre outros projetos, tecnologias e eventos para construção sustentável? Assine o nosso boletim informativo!

 

Verificar também

Construções Sustentáveis

Construções Sustentáveis apostam no BIM como aliado para projetos

Tecnologia é hoje a principal ferramenta para o desenvolvimento de construções sustentáveis e ecologicamente corretas …

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *