sexta-feira , 15 dezembro 2017
TEM NEWS

Fábrica pop-up gera materiais in loco com resíduos

Fábrica
 Blocos de alvenaria sustentáveis – Foto: Watershed Materials

Fábrica pop-up gera materiais in loco com resíduos

Imagine uma fábrica de blocos de concreto construída no mesmo local onde estes materiais serão utilizados? OK, onde está a novidade? E se a matéria prima deste bloco for oriunda da própria escavação do empreendimento? Ah, aí sim podemos ter algo bem interessante para falar!

O processo de escavação é geralmente um grande problema para as construtoras, porque para fazer “brotar” novos edifícios, os caminhões, repletos de resíduos, saem do local da obra em um processo barulhento, de alto consumo de combustível e de tempo.

A empresa Watershed Materials, com sede na Califórnia, a fim de minimizar o transtorno deste processo, através de uma solução muito sustentável, desenvolveu uma fábrica pop-up (temporária) que reutiliza o material residual retirado exatamente do local da obra, criando Unidades de Alvenaria de Concreto (CMU) que podem ser utilizadas no projeto.

Com isso o tráfico de caminhões é eliminado e a reutilização de resíduos, com a consequente redução de recursos financeiros para a compra de materiais, além do eminente desperdício dos mesmos, o resultado sem dúvida é benéfico e gera um ganho significativo para o meio ambiente.

 

fábrica
 A máquina Watershed Materials produz um bloco piloto no Departamento de Pesquisas em Napa, Califórnia

 

Como funciona esta fábrica?

A fábrica pop-up, através de um equipamento compacto, gera um sistema de ultra-alta compressão que libera os desperdícios para transformá-lo em um CMU sustentável. A pressão sobre os grãos minerais os converte à uma espécie de rocha sedimentária, imitando o processo geológico natural de litificação.

Trata-se de uma tecnologia original de Watershed Materials, que desenvolveu previamente a técnica de compressão a fim de reduzir cerca de 50% da quantidade de cimento utilizada convencionalmente em blocos de concreto.

 

Fábrica
 Amostra estrutural de bloco de alvenaria produzido por Watershed Materials usando amostras do material residual do solo local

 

Não há absolutamente nada de novo em relação à construção de estruturas de alvenaria com materiais locais. A maior parte da arquitetura antiga e conhecida no mundo foi construída em pedra e argila coletadas diretamente do lugar”, diz David Easton, fundador da empresa.

Ainda de acordo com Easton, “o que é novo e absolutamente inovador é que com uma tecnologia melhorada e o melhor conhecimento da potencialidade dos materiais, os resíduos, que antes deveriam ser retirados pela empresa construtora e pagos para serem eliminados, agora podem converter-se em um ativo que também proporciona benefícios ambientais”.

 

Fábrica
 O Projeto Kirkham Praças e Comunidades oferece excelentes espaços abertos no Centro de Desenvolvimento para a instalação de Watershed Materials

 

Projeto Kirkham é um empreendimento urbano em São Francisco (EUA), que está construindo 445 novas habitações, praças e jardins comunitários. Naomi Porat, gerente de desenvolvimento do Alpha Group e parte da equipe que trabalha no se uniram para levar a fábrica pop-up diretamente ao local da obra.

Em seu estudo de viabilidade, a equipe do projeto Projeto Kirkham, identificou vantagens convincentes o processo in loco, que efetivamente reduziu o tráfego de caminhões nos arredores, reduzindo significativamente as emissões de CO2 e também o impacto geral sobre as construções vizinhas, cujos proprietários expressaram preocupação com o tráfego que a obra geraria, por isso foi o lugar ideal para implantar a fábrica.

 

Fábrica
 A equipe de desenvolvimento do Projeto Kirkham avaliou a possibilidade de utilizar os blocos Watershed Materials

 

Fonte original: ArchDaily

 

 

Quer se manter informado sobre outros projetos, tecnologias e eventos para construção sustentável? Assine o nosso boletim informativo!

Verificar também

A importância da normalização dos pré-fabricados

A expectativa é bastante positiva do setor de pré-fabricados pela recente normalização promovida pela ABNT, …

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *