sexta-feira , 15 dezembro 2017
TEM NEWS

Mini carregadeiras, multifuncionais e adaptáveis a variados projetos

mini carregadeiras
JCB – Divulgação

Com vasta gama de implementos, mini carregadeiras multiplicam aplicações atuando em diversos tipos e tamanhos de obras

O mercado brasileiro de mini equipamentos é relativamente jovem, mas tem mostrado um grande crescimento nos últimos anos. E dentro desse universo, as mini carregadeiras têm tido destaque pela versatilidade e pela possibilidade de utilizar implementos considerados multifuncionais. Há uma grande gama de marcas e modelos que possam ser adequados aos projetos dos usuários.

 

mini carregadeiras
Paulo Oscar Auler Neto, da SOBRATEMA

“São os modelos que oferecem uma melhor relação custo x benefício, comparando ao sistema tradicional, onde tínhamos a aplicação massiva de mão de obra”, afirma Paulo Oscar Auler Neto, vice-presidente da Sobratema – Associação Brasileira de Tecnologia para Construção e Mineração.

A concepção mecânica dos diferentes modelos de mini carregadeiras é bem parecida. “A diferença principal é a potência do motor e sua capacidade de elevação. O ponto mais delicado no equipamento é o sistema de locomoção e direção que se forem mal usados apresentarão desgastes prematuros”, comenta Auler Neto.

No País, os modelos mais vendidos são os chamados skid, de pneus, com direção deslizante. A maior demanda para as mini carregadeiras no Brasil está dentro da construção civil. O mercado tem avança em duas frentes: na venda direta ao usuário final e no atendimento aos locadores, onde se concentra o maior volume de negócios.

 

mini carregadeiras
Skid Steer da Volvo – Divulgação

 

Em países desenvolvidos, onde a infraestrutura já é estabelecida, a utilização dos equipamentos é essencial. As máquinas compactas são destinadas, em geral, a trabalhos de manutenção. No Brasil, geralmente a compra de máquinas é voltada para a realização de obras maiores, ligadas à infraestrutura. Desta forma, o volume de máquinas compactas ainda é relativamente baixo, se comparado aos países desenvolvidos. São produtos consagrados na América do Norte e na Europa.

 

Aplicação das mini carregadeiras no Brasil

As mini carregadeiras, por si só, já são consideradas bastante versáteis. E com a vasta gama de implementos que pode ser acrescida, as aplicações são multiplicadas. Ainda assim, deve ser lembrado que se trata de um equipamento de apoio, a não ser que o volume da obra e a demanda de produção sejam pequenos.

“Na construção, as mini carregadeiras são aplicadas em grandes centros. São obras de edificações, saneamento básico, eletrificação e pavimentação. O que mais impulsiona este mercado é a tendência generalizada de substituição da mão de obra braçal pelos equipamentos, fruto dos altos custos da mão de obra, questões trabalhistas e de regulamentação”, lembra Auler Neto.

 

mini carregadeiras
Diversas tarefas podem ser cumpridas com rapidez e agilidade – Foto JCB

 

Os equipamentos podem ser aplicados desde a limpeza de terrenos à construção em si, seja residencial ou predial. Com uma caçamba como implemento, a mini carregadeira pode transportar montes de areia e brita do local onde está empilhado até a área onde será feita o concreto.

Com um garfo, o usuário pode transportar blocos de concreto ou tijolos para o local da execução. Pode ainda ser implementada uma fresadora, que remove uma camada asfáltica superficial e deixa pronta a aplicação do asfalto. Com uma vassoura, o equipamento pode tirar todas as impurezas para posterior aplicação do asfalto.

 

mini carregadeiras
Equipamento sobre esteiras Volvo MCT145C com capacidade para 1452 kg – Divulgação

 

Outros implementos são garfos pallet, que podem fazer com que os equipamentos sejam espécies de empilhadeiras 4×4 AT (all terrain, em português, todo terreno) eficientes. Caçambas com garras são destinadas ao transporte de materiais volumosos, mas têm baixo peso específico.

 

A sustentabilidade das mini carregadeiras

Como elementos sustentáveis, os equipamentos emitem menos poluentes e oferecem maior segurança aos operadores. A própria operação das mini carregadeiras é considerada simples e intuitiva. O mesmo vale para a manutenção, que requer noções básicas de equipamentos. A tecnologia das máquinas compactadas permite também facilitar e otimizar processos práticos, como o próprio transporte e execuções em espaços reduzidos.

 

mini carregadeiras
Modelo ECO 190 da JCB em ação – Divulgação

 

Em termos de produtividade, a mecanização de atividades garante maiores volumes de trabalho e redução dos tempos das obras. “Por sua vez, o uso de equipamentos no lugar de mão de obra garante uma maior segurança, ergonomia e uniformidade nos trabalhos traduzindo em mais qualidade”, diz Auler Neto. A redução de custos é obtida por meio da padronização e da redução do retrabalho.

 

JCB

mini carregadeiras
Ricardo Nery, da JCB – Divulgação

As carregadeiras compactas JCB possuem uma vasta linha de acessórios, que permitem a atuação das máquinas em inúmeras etapas de uma obra. “Os equipamentos JCB trazem mais eficiência, agilidade e versatilidade. Como exemplo, cito o processo de descarregamento de caminhões de forma ágil e com mínimas perdas”, relata Ricardo Nery, gerente de Produto da JCB.

Alguns elementos sustentáveis marcam as mini carregadeiras fabricadas pela empresa, como a rapidez de locomoção e a gama de implementos. “Destaco também o baixo consumo de combustível das carregadeiras compactas. Este fator diminui os custos da obra”, complementa Nery. Desde janeiro deste ano, a JCB iniciou no Brasil a adequação ao programa de controle da poluição do ar, chamado PROCONVE MAR-I.

 

VOLVO

mini carregadeiras
Boris Sanchez, da Volvo – Divulgação

A Volvo Construction Equipment (Volvo CE) possui modelos com rodas e com esteiras. Com rodas, para o mercado brasileiro, a margem vai de 600 kg de capacidade de carga útil até aproximadamente 1250 kg. E com esteiras, são dois modelos, um com 700 kg e outro com 1250 kg. “Eles podem ter cabine aberta ou fechada e sistemas de elevação vertical ou radial. São variantes disponíveis”, conta Boris Sanchez, gerente de suporte a vendas e aplicações da Volvo CE na América Latina.

 

 

“Os equipamentos convencionais têm normalmente dois braços de elevação. As mini carregadeiras Volvo CE têm um braço só, localizado no lado direito. Isso garante visibilidade total no lado esquerdo ao operador. Além disso, o acesso é lateral, diferentemente de outras marcas, onde é feito pela parte frontal”, completa Sanchez. Isso garante maior segurança aos operadores. Caso haja algum problema, o operador pode sair pela lateral, sem ter que passar pelo implemento, algo muito perigoso.

 

 

Quer se manter informado sobre outros projetos, tecnologias e eventos para construção sustentável? Assine o nosso boletim informativo!

 

Verificar também

EPI

Novos modelos de EPI provam que proteção é sustentabilidade

Mercado inova e traz para o Brasil as tecnologias mais atuais em Equipamentos de Proteção …

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *